• AceguáUrgente

Hoje é comemorado o Dia da Pizza

Uma massa sequinha, coberta com molho de tomate e um recheio da sua preferência: estes são os ingredientes básicos da receita que conquistou o paladar de milhares de pessoas no mundo inteiro. De tão popular, a pizza ganhou até um dia para ser comemorada: 10 de julho.

Pizza preparada por Estefani - Foto: Divulgação

Foi preparando a iguaria para convidar os amigos que Estefani Gigena Rodrigues teve a ideia de iniciar seu próprio negócio, a Pizzas da Tefi. “Meus amigos me incentivaram e já faz um ano que estou fazendo. Deu certo”, enfatizou.


Ela recebe pedidos, de segunda a sábado, a partir das 20h, pelo WhatsApp (53) 99975-8571. Os sabores oferecidos no cardápio são: Frango com requeijão, Bacon, Calabresa, Da Casa, Alcatra, Alcatra com 4 queijos, Frango, Mussarela e Azeitona. Tefi também prepara pizzas doces, só que essas, devem ser encomendadas com antecedência de 24 horas. Os sabores são: Chocolate branco com morango, Chocolate preto com morango, Doce de leite e banana e Romeu e Julieta. Os preços avariam de R$ 25 a R$ 50. Segundo Estefani, a preferida dos aceguaenses é a pizza Da Casa. “Todo mundo adora essa”, ressaltou.


Um pouco da história

Sempre que falamos em pizza, lembramos dos italianos. Mas não foram eles que inventaram essa delícia, nem surgiu com as características que conhecemos: massa fina, molho de tomate, queijo derretido, recheio e uma pitada de orégano por cima. Diz a história que a primeira pizza apareceu há mais de 6 mil anos e era apenas uma fina camada de massa conhecida como “pão de Abrahão”, que os hebreus e egípcios consumiam. Ela se parecia com nosso pão sírio atual e também era chamada de “piscea”, daí o nome pizza.


Os italianos, milhares de anos depois, incrementaram a pizza com o tomate, e ela era consumida dobrada ao meio como se fosse um sanduíche. Sua disseminação aconteceu durante a segunda metade do século XIX, em 1889, com dom Raffaele Espósito, um padeiro napolitano que servia o rei Umberto I e a rainha Margherita e, para agradar e inovar o cardápio, resolveu adicionar à massa, mussarela, tomate e manjericão, ingredientes que reproduziam as cores da bandeira italiana. E, em homenagem à rainha, ele batizou sua receita com o nome de pizza Margherita.


Na seqüência, padeiros mais criativos começaram a inovar e colocaram na pizza outros ingredientes, como o alho, o alicce e peixes da região. A fama de Nápoles correu o mundo e, assim, surgiu a primeira pizzaria: a Port'Alba. Ela era um grande ponto de encontro de artistas da época Entre eles, estava Alexandre Dumas, que até mesmo citou em uma de suas obras algumas variações da pizza. Por muito tempo, ela era vendida em padarias e barracas de rua e consumida no café da manhã. De Nápoles para o resto do mundo foi "um pulo", pois os imigrantes a levaram para vários países e a popularizaram.


Ela chegou aos EUA, assim como ao Brasil, por intermédio dos imigrantes italianos. Por muito tempo, só se encontravam pizzarias nos redutos e colônias italianas. Hoje, essa famosa delícia está em qualquer lugar das cidades.